21.1.09

vicky cristina barcelona.

fui assistir depois de todo mundo já ter visto e me dado todas as opiniões possíveis e inmagináveis. o filme é aquela coisa... okei. achei chato, honestly. woody, você não está mais na sua melhor forma.

mas a questão aqui nem é o filme, claro. embora ele comece com um interessante overview sobre quem são vicky e cristina according to ho they feel about love, tanto as americanas quanto a relação delas com o espanholão, é tudo muito dull, muito chato, muito tentando superar as expectativas demais.

vicky é, desnecessário dizer, totalmente esquecível. a parte dela da história é tão chata quando a personagem, que tédio, mas a scarlett... bom. a personagem da scarlett tem tudo pra ser a mulher arrebatadora, a mulher que todas nós queremos ser, mas ela vira muito rápido um balde de clichês. querendo ou não, ela é só uma americana loira branquela que "quer mais para a vida". well, darling, don't we all? chato chato chato. aquela história de "não sei o que quero, só sei o que não quero" não tem nada de espetacular ou novo - é simplesmente o lema de uma geração inteira. eu falo isso desde os 14 anos e nunca me achei lá grande coisa por isso.

querendo ou não, ela é - fantasiada de personagem do woody allen, o que tornaria a coisa toda mais interessante (mas não torna) - o que a britney spears têm nos dito ao longo dos anos: nós somos uma geração de mulheres insatisfeitas com nossa posição perante ao mundo. nós podemos tudo. nossas mães e avós já nos liberaram do carma feminino de dona-de-casa. nós podemos trabalhar. nós podemos amar. nós podemos nos casar. nós podemos trepar com um homem diferente por dia. nós podemos nos vestir como quisermos, falar o que quisermos, agir como quisermos. mas nós não queremos nada. e quando tudo isso se aplica ao amor.. aí a coisa complica.

mas a scarlett não consegue complicar nada, na verdade. ela é só uma mulher mimada que quer ser artista. isso não me DIZ absolutamente nada.

é a personagem da penélope que consegue arrebatar toda essa sensação de mulheres que podem qualquer coisa mas não conseguem nada. porque é só no amor que isso tem realmente importância, e convenhamos, scarlett não ama, ela tá só having fun, 'cause that's all we girls want. a penélope não. ela não está se divertindo. ela sim ama profundamente. ela sim sabe o que é estar insatisfeita com aquilo que tem; não como a scarlett, que tá insatisfeita porque, né, ela tá entediada. a penélope não tá entediada, ela não entrou nesse ciclo por causa da monotonia.

o problema dela com o amor é algo que eu tenho dito já faz algum tempo: nós não queremos o amor, não queremos uma relação colorida, bonita, estável com alguém que nos faça sentir bem. nós queremos o desiquilíbrio emocional de estar sempre procurando, de ter a necessidade de foder com tudo. essa é a mulher moderna.

é uma pena que a personagem da penélope seja tão pouco explorada, e quando é, é mais pela sua loucura "prática" do que pelo desequilíbrio emocional tão comum a tantas mulheres. mas isso é porque o woody tá com essa idolatria desnecessária pela scarlett, que fez bem em match point, surpreendeu todo mundo em scoop, mas agora mostrou que não consegue ir além disso, ou não tá disposta a tentar. scarlett, você me dá sono.

Nenhum comentário: