1.6.09

down like the rain

me vejo cada vez mais a mercê dos acontecimentos e cada vez menos dona do meu próprio destino. clichê, eu sei, mas se você fosse capaz de me enxergar down here in the shadow ia ver que na minha falta de palavras brilhantes e idéias novas está o encontro de todo o conhecimento histórico de uma geração. eu não tenho amor dentro de mim, não tenho raiva também, não tenho esperança nem o contrário dela, não tenho sonhos nem frustrações eu tenho um grande nada. e se eu me forço tanto a escrever sobre o que quer que seja que deveria existir dentro de mim é porque eu vejo no vazio o espaço necessário pra preencher com nada além de mim mesma. e é isso que eu chamo de solidão. e se eu uso letras minúsculas é porque aqui eu tô gritando sem parar. e se eu me faço tão normal perto dos outros é porque eu gosto muito da sujeira. i ain't going down, queridos, mas não é por falta de querer.






a culpa não é minha se eu não me basto em ninguém e sinto tanto conforto nas minhas próprias palavras.

8 comentários:

mel disse...

"me vejo cada vez mais a mercê dos acontecimentos e cada vez menos dona do meu próprio destino." eu tenho certeza que já escrevi isso antes em algum outro texto, mas que diabos.

Nah Safo disse...

a impressão que me deu, ou inspiração que me deu, foi tipo de alguém querer jogar a toalha, até perceber que ela tá amarrada no braço.

e aquela expressão da desilusão, que vc sempre alcança nos textos.

mel disse...

toalha amarrada no braço = guia dos mochileiros da galáxia hahashahshahsa

na verdade a minha inspiração foi bem isso, mas em vez da toalha foram umas pessoas que tão amarradas no meu braço


saca?

Nah Safo disse...

não sei se saco.

provavelmente não.

nunca entendo nada.

mel disse...

foi assim: tinha umas pessoas que você conhece bem discutindo assuntos babacas se achando muito inteligentes e inspiradoras. aí eu virei pro lado e escrevi. aí eu cheguei em casa e publiquei aqui.

mel disse...

acho que falei demais

Nah Safo disse...

e incrível como parecia muito pior.

você devia mesmo ser aeromoça. todo mundo ia prestar atenção em você.

eu nunca prestei atenção em nenhuma na vida.

mel disse...

é, eu tenho esse talento de fazer as coisas parecerem bem piores do que elas são na verdade. imagina o caos que eu conseguiria criar sendo aeromoça.