31.7.09

é legal quando isso acontece:


Melody,

é seu nome verdadeiro?


é, sim (o:

Eu teria bastante para não gostar de você. Mas não digo que gosto, mal sei quem é. Ou melhor, eu com certeza sei mais sobre você que você de mim pois li teu blog e eu não tenho um.

olha, eu acho bem absurdo você achar que sabe muita coisa sobre mim porque leu meu blog. te ocorreu que tudo aqui pode ser ficção? eu acho que sei o suficiente sobre você: lê blogs, entra em orkut de pessoas que mal conhece e de quem nem gosta apesar de mal conhecer, julga pessoas pelo que lê nos blogs ou pelo que vê, sem ter ao mínimo dito oi.

Mas de primeira não simpatizei não. Acho que te vi uma vez só. Acho que mais.
Sei lá porque. Tá, eu sei, mas parece agressivo e gratuito chegar e te dizer.


não entendi. agressivo e gratuito chegar e dizer o quê? que não gosta de mim? eu diria que é mais desnecessário, né? mas acho uma pena você não ter simpatizado comigo, eu sou uma pessoa legal, juro! :D

Aí li teu blog e me peguei lendo um monte. Entendi melhor, inclusive me lembrou de umas fases minhas uns anos atrás.
E eu me peguei simpatizando com você. Deve ser uma companhia legal para uma cervejada na Augusta.. Engraçada, no mínimo.


bom, assumo que se meu blog te lembrou de umas fases suas "de uns anos atrás" é porque você deve ser mais velho que eu e deve me achar infantil e imatura. pode até ser verdade, né, sei lá, mas repito: te ocorreu que tudo aqui pode ser ficção? se não tudo, pelo menos grande parte das coisas?

Eu sei que isso também parece gratuito, mas acho que pra melhorar várias dessas coisas do blog, que geram ou já são crises, ajuda muito não escrever sobre elas. Faz você pensar mais nisso do que devia. Aí você se rende a essa obsessão (não?), reitera a coisa, não sei dizer direito; como se trabalhasse mais e desse corda a algo que poderia sair com alguma outra atividade que tomasse lugar disso, sabe?
Pior é que sim, você sabe. A gente tem mesmo uma vontade louca de sentir dor, e ir atrás dela por meio daquelas óbvias fontes de dor, latentes, potenciais.
Ainda mais quando fazemos Letras... não é à toa, né?


essas coisas do meu blog não são nem geram crises, e agora te digo: 90% do que tá aqui é ficção. eu não sinto esse monte de dor não, não procuro sentir dor e não acho legal mergulhar na minha própria dor quando eventualmente a sinto. e a letras também não tem nada a ver com isso, passo por aquela faculdade do mesmo jeito que passo pela maioria dos acontecimentos: intacta. no geral eu sou uma pessoa bem divertida e engraçada, dou bastante risada, mas me preocupo de verdade com pouquíssimas coisas, e normalmente coisas bem fúteis do tipo 'será que vou ter dinheiro esse mês pra pagar meu cartão de crédito?'. a letras, as dores, as crises, faz tempo que eu aprendi que tudo isso passa. esse blog aqui é um exercício, porque, como a maioria da galera da letras, eu gosto de escrever, e mesmo não tendo nenhum grande talento, é legal ter meu espaço pra, como eu disse, exercitar.

Mas sei lá, quando a gente desencana de verdade, de verdade mesmo, putamerda, as coisas começam a rolar. Eu li num negócio de mapa astral lá, do teu signo e da tua lua, que você tem que tomar cuidado com o ambiente e as coisas à sua volta. Você corre risco de se contaminar e começar a passar por coisas e sofrer e sentir e viver coisas dos outros que nem tem a ver com você. Incoscientemente e tal.

as coisas começam a rolar? jura? que legal, vou seguir esse seu grande e sábio conselho, porque realmente, cara, eu nunca ouvi ninguém dizer isso! [/sarcasmo]. tá, mapa astral, boring, desinteressante, foi mal. e como você sabe meu signo? tipo, é sério isso? você quer que eu siga conselhos do horóscopo? mais que isso, quer que eu siga conselhos do horóscopo porque leu meu blog e acha que eu preciso de ajuda? dude, you're so wrong.

Eu não te conheço, mesmo. E é capaz que você fique puta com esse e-mail. É ridículo, eu sei, mas eu simpatizei e de repente tive uma vontade estranha de ajudar, falar algo. Sei lá se isso vai fazer qualquer diferença na tua vida; mas eu sei que pode ser interessante ouvir uma impressão bem de longe de alguém nada a ver.

não fiquei puta não! dei risada. sem querer ofender nem nada. quer dizer, mandar o email, putz, cara, sério, isso foi uma atitude muito legal. eu adoro receber emails, especialmente de desconhecidos. o que eu achei bem absurdo mesmo foi você fazer essa análise de quem eu sou baseado no que leu aqui. só isso. eu acho que talvez até eu precise de alguma ajuda mesmo (quem não precisa), mas também acho que você ia conseguir muito mais falando comigo (quem sabe tomando aquela cervejinha na augusta que você mencionou no começo? eu topo!) do que lendo meu blog. mas, indeed, foi interessante ouvir uma impressão bem de longe de alguém nada a ver ;o)

Espero que assim o seja. Pior é que me parece bem fácil você ficar feliz rápido. Um pouco de foco ajuda.

eu sou feliz, baby. ;o) relaxa aí. não tenho muito no que focar, porque como eu disse antes, pouca coisa me importa de verdade. meus amigos, minha cachorrinha, meu saláriozinho que paga minhas cervejas... não preciso de muito mais que isso pra estar feliz, sou uma pessoa bem simples. saca?

'Best regards', pela falta de saber se mando beijo ou abraço.

Ah é, esse e-mail já estará excluído e desativado quando você ler. Se tiver vontade de responder, faz pelo blog que eu vou ler. Pode ser criptografado ou coisa assim se preferir, eu tenho talento pra essas coisas.

Eu realmente não gosto de jurupinga.


tá aí. nada criptografado e tal. adoro emails anônimos porque me sinto no direito de fazer isso e responder no blog. :D e o que a jurupinga tem a ver? eu adoro jurupinga, mas prefiro sempre uma boa cerveja.

Nenhum comentário: