15.1.10

cada vez mais me surpreende a pecilotermia social das pessoas. eu vejo as pessoas mudando conforme quem está ao redor muda, e às vezes me pergunto se eu também ajo assim, se é possível a gente ignorar relações e simplesmente passar a tratar alguém diferentemente quando não temos mais nada que nos interesse a extrair dos outros.

eu tenho quase certeza que não sou assim, que não faço isso. que se eu mudo meu jeito com pessoas diferentes não é por falsidade mas por saber me adequar a situações sociais diferenciadas. mas não é disso que eu estou falando, tô falando desse tipo de pessoa que voluntariamente e conscientemente abandona os outros a partir daquele momento essencial em que o outro não pode mais oferecer nada.

há muitos anos eu deixei de me incomodar com isso - mesmo porque eu tive a sorte de notar que isso acontece quando eu ainda era criança; eu percebi que pra certas pessoas nós somos o estepe, the ice cream cone. mas me surpreende ainda que isso ocorra com tanta freqüência e de quem a gente menos espera.

o que eu já disse muitas vezes em muitíssimos blogs é o seguinte: abandono é via de mão dupla, re.cí.pro.co. todas as pessoas que me abandonaram foram, conseqüentemente, abandonadas por mim. sem hard feelings, eu não sou rancorosa, os relacionamentos mudam mesmo, a gente conhece pessoas novas o tempo todo que acabam substituindo as pessoas anteriores.

quem é insubstituível não se faz ausente nem na distância, e a distância é assim: não incomoda, nem nos momentos em que se torna mais presente e mais interior. e eu posso dizer isso, porque hoje, agora, nesse minuto, o maior problema da minha vida deveria ser a distância de pessoas queridas.


[para melhores elucidações sobre o asunto, leiam aqui]

3 comentários:

Ani disse...

adorei as referências regina spektor no blog todo!

faustine disse...

hahaha tava ouvindo regina quando me inspirei pra fazer um blog novo :D

Ludmila . disse...

Tem distâncias e distâncias, silêncios e silêncios, usos e abusos, gente que vem pra ficar e gente que vem pra usar.

E gente como eu, que vem pra te amar, sempre!

=o*