26.12.12

às vezes eu acho que não sou uma boa amiga. acho que as mancadas que a gente faz sem querer, sem prestar atenção, são as piores, e eu já fiz tantas dessas que nem tenho como tentar esconder de mim mesma. elas tão aí, prova do pouco caso que às vezes eu uso pra lidar com as minhas relações. é só que de vez em quando eu me perco nas minhas próprias ocnfusões, e tomo decisões pra acabar com elas sem pensar nas consequências que elas vão trazer pros outros. e não é que eu seja uma pessoa de pouco amor, ou de não saber amar. eu sei. de verdade. é só que eu tento resolver os meus conflitos e esqueço que tem gente ao meu redor, olhando o que eu faço e às vezes sendo afetado pelas minhas escolhas. mas logo depois de achar que eu não sou uma boa amiga, logo depois mesmo, tipo no instante seguinte, eu penso que na verdade eu sou uma amiga muito boa, e que eu preciso parar de esperar que as pessoas reajam do mesmo jeito que eu. se eu já dei mancadas dessas sem querer, por pura falta de atenção, se eu já tomei decisões certas pra mim mas erradas pro valor que eu dou pras minhas amizades, não é como se nunca tivessem feito isso comigo. mas eu sempre escolho não guardar racnores, nem mágoas; não arquivar o pequeno erro pra poder usá-lo num futuro como vingança ou pra causar remorso. eu sou a favor do perdão, sempre. eu sou a favor de deixar essas pequenas ações alheias - que não têm impacto real sobre mim afora o sentimento de traição, que é supérfluo, sempre - pra trás. então eu queria saber, mesmo, por que agir assim é tão difícil pra algumas pessoas? por que tem gente que prefere ficar se segurando em mágoazinhas? eu sei que eu posso magoar, sem querer, mas eu também posso ser magoada. e se é sem querer, se não houve intenção real de machucar, pra que querer guardar isso por um tempo indefinido? às vezes a gente toma decisões, por nós mesmos, e isso não é errado, e a gente esquece de pensar em como isso pode afetar alguém. mas não dá pra viver pensando em todo mundo que existe ao nosso redor antes de cada escolha a ser feita, isso é tçao absurdo quanto incoerente. o que eu não entendo é: o meu erro não pode ser perdoado, enquanto eu saio por aí abstraindo todas as pequenas ações que eu poderia considerar a mais alta traição; sei lá, acho que tem gente que gosta muito de se sentir injustiçado e traído, eu sou pró-perdão, pró-risada, pró-simples, sempre. e se eu erro de vez em quando, isso faz de mim uma má amiga?

Nenhum comentário: