1.8.13

tied to the 90s

essa noite eu sonhei que eu tava discutindo preciosidades e momentos-auge dos anos 90 com um grupo de pessoas x, dentre os quais estava o heath ledger, que ficava se gabando de ter beijado a claire danes, e eu falava: não, heath! não foi a claire danes que você beijou, foi a julia stiles! a claire danes era a irmã dela, que ficava com o menino de 500 dias com ela" - claramente meu cérebro deu um grande nó nas personalidades dos anos 90 e em seus respectivos papéis no mundo pop atual, mas eu entendo a confusão, porque né (se preparem para a enxurrada de factóides):

- claire danes, musa de my so called life nos anos 90, agora é a minha musa bipolar em homeland, série da qual eu tenho sentido muita saudade ultimamente e portanto, entrou no meu sonho. procurando fotos no google descobri que o jared letto também fazia my so called life, fato que eu não lembrava, e agora vou baixar tudo e ter uma overdose de 90s teen drama. fato é: claire danes era linda demais nessa época. sério gente. ela é muito esquisita em homeland, tem uma cara de rato, tá magrela demais, mas eu a amo muito e acho uma musa porque lembro disso:



sem contar que o figurino desse programa é uma das melhores coisas que os anos 90 podiam nos proporcionar.

- a irmã da julia stiles em 10 coisas que eu odeio em você era uma child star chamada larisa oleynik, que no meu coração ficou pra sempre registrada como alex mack, a incrível garota radioativa. aliás, nickelodeon nos anos 90: puro amor. (para mais preciosidades nickelodeanas dos anos 90: "the adventures of pete & pete", que deve ter sido apenas a melhor série infantil da história; "clarissa knows it all", com uma perspicácia ácida adolescente e um figurinho de dar inveja)



- a própria julia stiles fez um outro filme que marcou minha adolescência, aquele "no balanço do amor". esse filme era incrível, tinha dança clássica e moderna, discussões sobre preconceito racial, uma história de amor, uma adolescente introvertida com problemas familiares tentando fazer amigos na nova escola, um fim com moral, cara, TUDO DE BOM. (em tempo: que a julia stiles tenha virado personagem secundária naquele filme horrível com a jennifer lawrence é muito triste)

- o heath ledger é um ícone tão máster pra mim que vejam só, no meu sonho ele era meu buddy. só queria lembrá-los a todos que o heath ledger, numa época que eu particularmente considero o ápice de sua carreira, era muito criticado em relação a seu talento como ator. eu lembro muito bem de que antes de ele virar o talento obscuro em seu papel no batman, muita gente ridicularizando ele por ser um "galãzinho adolescente de filmes ruins". tô de olho, viu, galere, em hater que vira casaca. eu sempre o amei porque fora seu incrível papel em 10 coisas que odeio em você, ele teve um grande momento cinematográfico em coração de cavaleiro, que eu nem sei se é realmente dos anos 90, mas se não for é do comecinho dos anos 2000, que é a mesma coisa. esse é outro filme cheio de qualidades, como ensinamentos sobre não se deixe levar pelo que a sociedade diz que você é, lute pelo que você quer, confie em seus amigos e curta uma garota diferente do padrão. seriously, guys, too much awesomeness.

mas eu queria mesmo falar sobre 10 coisas que eu odeio em você. primeiro: o filme é um remake moderno e teen de shakespeare. sério gente, não sei vocês, mas eu cresci lendo os remakes modernos e teen de shakespeare feitos pelo pedro bandeira, então isso aí me pega de jeito. fora isso, esse filme tem certas características que só os anos 90 podiam prover. os filmes adolescentes de hoje são bem monotemáticos (não que não fossem antes, mas pelo menos era um tema relacionável), e esse filme tem uma certa ingenuidade adolescente que só existiu nas comédias românticas daquele tempo. a menina que não se adapta ao padrão adolescente da escola, portanto é vista como uma megera, mas é na verdade sensível, artística e inteligente. a irmã dela, que tenta ao máximo ser o padrão adolescente porque quer ser amada e adorada pela escola, mas que no fundo não é tão superficial assim. o galã rebelde, que parece ser alguém espinhento e durão, mas é um menino fofo. etc etc etc. mas o incrível do filme não são os personagens, nem sequer a própria história, e sim a atmosfera adolescente escolar criada. os filmes centrados no prom dance eram muito comuns na época, e todos eles tinham esse ar de life-changing moment, essa coisinha que apertava bem na boca do nosso estômago adolescente de saber que depois da high school coisas boas podiam vir; isso não existe mais, cara. e sabe o que era awesome também? bandas reais dos anos 90 fazendo papel de prom band: isso era muito emocionante. cara, save ferris toca no prom desse filme, e a galera tá NEM AÍ. que nem naquele filme da mão assassina, que o offspring é a banda tocando no baile, e tá todo mundo DE BOAS. how awesome is that?

(aliás, a mão assassina: esse é outro filme que merece análises minuciosas, porque absolutamente tudo nesse filme é perfeito, até os posters nas paredes dos quartos dos personagens)

é isso, cabou.

Nenhum comentário: