1.9.14

sobre a dificuldade de falar sobre exploração cultural na moda:

eu falo sobre a problemática do uso de elementos culturais de culturas externas ao ocidentalismo, que reproduz uma dinâmica colonialista de relações entre povos brancos e povos de outras etnias diversas, o professor e as alunas falam: da apropriação do jenas, da paropriação de star wars pela rodarte, do reinaldo loureço se paropriando de art deco.... gente?

talvez eu esteja muito errada, mas eu tenho a impressão de que apropriação cultural é a descontextualização de elementos culturais que dentro de uma hierarquia cultural tem significados que não são compreendidos ou sequer aknowledged pelo ator apropriador. historicamente, as culturas que são apropriadas são despidas de sua individualidade, liberdade e crenças, que passam a ser ridicularizadas ou usadas como commodity como valor de produto, não como autonomia cultural, religiosa ou social. quando, décadas ou séculos depois, um elemento solto dessa cultura é reinserido na sociedade ocidental como elemento fashion, como tendência, e é isolado do resto da história dessa cultura no ocidente, a relação de commodity se repete. nós, ocidentais, brancos, aceitamos esse pequeno elemento de uma cultura exterior porque é bonito e pode ser comercializado, mas ignoramos todo o resto da história e cultura dentro e fora da história ocidental porque a) não entendemos; b) não nos importamos; c) não queremos ser lembrados do nosso próprio papel na opressão e discrimimação de tal povo e cultura.

quer dizer, o lucro e uso estético continua na mão dos opressores históricos, e quem vive e compreende a opressão cultural e social continua tendo sua liberdade cultural cerceada, ridicularizada ou ignorada.

Nenhum comentário: