1.12.14

you're so god damn young

o foda do pasto pé que ninguém é pasto de verdade, tá todo mundo fingindo

o pasto sendo o ~trampo~, a "firrrma", o terrível e socialmente necessário emprego, eu me peguei pensando sobre essa frase que ouvi no fim de semana.

qué dizê, por que isso né? acho muito louco que a partir do momento que eu passo da porta do trabalho, assim que eu atravesso essa barreira entre o mundo lá fora e o mundo corporativo, eu tenho que assumir essa máscara, essa faceta que não sou eu de verdade, essa mentira que a gente inventa porque é o que "eles, o terrível coletivo indefinido, querem que nós sejamos.

mais incrível que ter que bolar essa atuação completa todo santo dia, é que a gente sabe que é tudo mentira, tudo brinks, invenção, faz de conta. todo mundo todo dia fingindo ser algo que não é, todo mundo fingino que tá acreditando na palhaçada toda, e todo mundo fingindo que não tá fingindo. é uuma fingição tão complexa, tão profunda, e pra quê?

tipo. qual é a necessidade de inventar um treco tão mirabolante que todo mundo sabe que é mentira? é exaustivo ter que viver essa vida multifacetada que todo mundo sabe que é fake, é uma enrolação, é uma tristeza, é uma depressão só, não sei lidar.

Nenhum comentário: