30.6.15

em 2003, evan dando, normalmente conhecido como vocalista do lemonheads, lançou o baby i'm bored - cujo título maravilhoso, quiçá melhor título de álbum solo de ex membro de banda ever, era apenas uma promessa da maravilhosidade do disco em si.


alguns anos depois, lá pelos idos de 2008, pequena mel (eu), ainda obcecada pelo disco, põe no ~about me~ do orkut os dizeres baby i'm bored. mais ou menos nessa época, eu conheci um amigo de um amigo, que ao me ~add~ no orkut me escreveu "evan dando né?"

meu cérebro infestado de comédias românticas pensou, ao ver essa inédita demonstração de conhecimento da minha frase de about me, que esse rapaz talvez fosse o homem da minha vida.

needless do say, não era. até porque ele namorava a garota que ele parecia achar ser a mulher da vida dele. either way, nós ficamos amigos e trocamos muitas figurinhas de bandas, o que mais frequentemente do que não costuma ser muito melhor do que trocar sentimentos românticos.

a questão é que seria apenas no ano seguinte, 2009, com o advento do chickflick machistinha mais queridinho dos hipsters, indies, pós-emos, e alternativinhos modernos 500 days of summer, que eu escutaria a seguinte frase:


desculpa citar esse filme gente, eu sei que é muito juventude urbana contemporânea superficial, mas a verdade é que essa frase precisa ser lembrada. uma pessoa não é sua alma gêmea só porque ela conhece o álbum obscuro cujo lado b ainda mais obscuro você usou de about me na sua rede social de preferência.

mas fato é que é legal compartilhar essas pequenas obras primas que dominam nossos corações com alguém. esse momento de identificação, de dividir um amor por um disco, um cantor, uma banda. é sempre uma comunhão memorável.

isso tudo eu pensei porque ultimamente tenho ouvido esse disco do evan dando novamente, e é engraçado como eu acabo sempre retornando a esses confortos musicais, a discos e músicas que, pra mim, são insuperáveis.

também tenho ouvido muito dr dog de novo - não que eu jamais tenha parado de ouvir, mas recentemente me bateu ~~A ONDA DO DR DOG~~ bem forte, re-escutei discos inteiros, vasculhei o youtube por vídeos ao vivo, até fiz um post fanático no facebook, tudo porque heart it races apareceu no meu shuffle e aí eu achei esse vídeo na internet:


notem o erick slick tocando maleta, o que é legal mas não é nada que juston stens já não havia feito e melhor ainda.

point being que a coisa do eterno retorno pega forte por aqui, mas eu também gosto de abrir meus horizontes e conhecer coisas novas, e fui impelida a assistir game of thrones.

[antes de tudo: não aguento mais ter opiniões sobre essa série porque aparentemente é impossível você falar pra alguém que tá assistindo sem ter que entrar num debate eterno sobre a série - sdds dos tempos que a gente podia só ver um programa na tv e curtir de boa, sem ter que falar sobre ele exaustivamente. enfim, tudo isso pra dizer que eu não tecerei comentários sobre game of thrones.]

o que eu quero dizer é que na terceira temporada aparece esse (não muito) agradável moçoilo:


o que me deixou deveras emocionada pois esse menino, esse rapaz que nessa série é tão ruthless, é o simon, um dos meus mais queridos personagens da tv ever!



bom, ver o simon me fez querer rever misfits, uma das melhores séries que eu já vi e quem eu encontrei bem ali nos primeiros episódios????


a única incomparável catelyn stark!!! que é a mãe do nathan que, me digam vocês, não tem carinha mesmo de ter sido um stark numa vida passada?


PORTANTO eis minha teoria:


[ATENÇÃO PARA SPOILERS TANTO DE GAME OF THRONES QUANTO DE MISFITS CUIDADO porém depois dos spoilers tem mais, pode ir direto pro parágrafo seguinte]

o nathan É um stark - gerações e gerações e gerações e gerações depois da infame guerra dos tronos, uma descendente de catelyn stark deu a luz a nathan, herdeiro das esquecidas fortunas e lendas da família stark. o tempo passa e apaga todas as grandes conquistas né, gente, e agora eles são apenas uma família suburbana normal, e se esse não é um bom desfecho pra game of thrones não sei o que pode ser, porque saber que no fim das contas nada importa e foi tudo em vão e a história daquelas famílias foi esquecida apagada deletada nos dias modernos é uma ótima lição. pelo menos é o que eu penso. paralelamente, simon, que durante as temporadas de misfits adquire o poder de voltar no tempo pra salvar sua namoradinha, volta tantas vezes mas tantas vezes e cada vez que ele conserta algo outra coisa dá errado mas ele continua tentando indo cada vez mais para o passado pra evitar que pequenas coisinhas aconteçam, tentando deixar tudo do jeito certo, e ele vai tão longe, ele volta tanto e tantas vezes, que ele enlouquece e vira o personagem sádico louquinho que vemos em game of thrones. até porque a gente sabe que o simon realmente ficou um pouquinho maluquinho com essa história de voltar no tempo, né, afinal:


eu imagino que essa coisa de viagem no tempo deve deixar a gente meio desnorteado mesmo, né, ainda mais se a gente vai parar no meio de uma guerra medieval entre reis, bruxas, zumbis, dragões e um monte de gente louca.

FIM DOS SPOILERS, RESPIREM EM PAZ, AMIGOS

eu falei que ia ter mais depois mas na verdade não tem mais nada, deixo vocês com esse ~sonzaço~ do evan dando




Nenhum comentário: