23.9.15

minha mãe tava evitando assistir narcos por causa da violência, mas depois que começou assimilou o estilo de vida conhecido como binge watching. ela tá curtindo muito porque presenciou essa loucura toda, via na tv, lia nos jornais, então ela fica relembrando detalhes, coisas que aconteceram e que a série não mostra.

todo dia eu chego em casa e ela fica felizíssima com minha chegada porque vamos poder ver narcos. 

e todo o tempo em que não estamos vendo narcos, estamos falando sobre.

hoje cheguei à conclusão que a história do escobar, esse período da história colombiana, mais do que se assemelhar ao realismo fantástico da própria colômbia ou da argentina, o tom da história e os elementos da narrativa se assemelham muito mais a um exemplar (raro) de realismo fantástico brasileiro: o incidente em antares, do érico veríssimo.

enquanto em narcos (e na história surreal porem veraz do narcotráfico colombiano) a gente tem o elemento fantástico de um país governado por um reinado do narcotráfico, no incidente em antares temos uma cidade cujos defuntos vagam sem rumo pois todos os coveiros estão em greve. os acontecimentos das duas histórias soam fantásticos e absurdos, porém são verossímeis e podem acontecer. e os dois acomtecimentos servem pra esmiuçar as vidas, as morais e os mecanismos das duas sociedades (colômbia e antares). conflitos secundários comuns às duas históricas são as politicagens, a corrupção, a caça aos comunistas.

fica a dica de leitura aí pra vocês, amiguinhos


outra coisa que decidi ler (pros que acompanharam a saga the martian - mia couto, larguei the martian pois muito bobo, larguei mia couto pois muito denso) foi ainda mais um livro do chuck palahniuk (o equilíbrio ideal entre bobagem e profundidade, perfeito para mentes medianas porém curiosas e alertas). não me julguem, mas eu gosto do palahniuk. quando ele acerta, ele acerta bem, ela acerta da hora. gosto das histórias kinda ~futuro distópico~ dele, porque ele tem uma visão mais humorada, bem americana embora ainda sombria, das possibilidades de futuro. o livro que estou lendo, beautiful you, é ainda mais interessante porque trata de um futuro distópico com consequências verossímeis para as mulheres.

uma coisa que falha em clássicos como 1984 e admirável mundo novo, é a suposição de que num futuro visto pessimisticamente o destino das mulheres seria igual ao dos homens, que haveria igualdade mesmo no sofirmento ou na repressão. até começar esse livro do palahniuk o único livro de futuro distópico que previa uma existência feminina que tivesse uma progressão proporcional com a vida da mulher de agora tinha sido o a handmaid's tale, da margaret atwood, uma escritora com claras visões feministas da literatura e da sociedade.

enfim, acabei de começar a ler, em breve voltarei com mais impressões. either way, fica aí a segunda sugestão de leitura do dia



pra quem não quer ler mas quer entretenimento mesmo assim, hoje no tumblr descobri essa série que ainda não assisti mas já recomendo (o que dizer dessa série que mal conheci e já considero pacas), scream queens. é com a emma roberts, queridinha indie, e a ariana grande, queridinha teen, e, bom, parece ser incrível (aparentemente a série é sobre meninas ricas e serial killers, uma combinação infalível)



além disso vi no instagram do artista pacolli essa ilustração


com a legenda "gregdulli singing Leonard Cohen enhancing my emotional education"

e sendo dona do blog que se chama cante uma canção do cohen, resolvi que postar esse vídeo de greg dulli (xuxuzinho) cantando paper thin hotel do leonard cohen era absolutamente essencial



por hoje é só

2 comentários:

Nah Safo disse...

fala mais do livro do chuck p. porfa

nadia disse...

tambem quero saber mais do livro!! e adoro esses apanhados de coisas legaia que vc faz melzinha :)