29.1.16

a semana chegou ao fim e eu:

mal consegui acreditar que sobrevivi porém não questiono mais muito o funcionamento da vida.

as aulas estão prestes a começar e eu estou genuinamente envolvida nos planejamentos e na organização pro começo do ano e acho que isso é crescer né: se responsabilizar pelos compromissos assumidos e curtir a vida while you're doin' it.

nesse momento tô aqui na dúvida de ir ou não ir a um karaokê que uns amigos marcaram, já que ficar em casa de pijama sem sutiã parece tão agradável pois eu estou, isso mesmo, exausta. por outro lado uma oportunidade de ~tomar umas biritas~ e irresponsably have fun me parece ótima também pois nada como uma cantoria pra espantar os tais dos males que as pessoas tanto comentam.

outro acontecimento da semana foi que eu enjoei de tal forma do disco do marvin gaye que agora não sei o que fazer, porque só ele contemplava meu estado de espírito ultimamente, mas simplesmente não. consigo. mais. escutar.

agora tô aqui na procura de algo similar na vibe mas novo pros meus ouvidos cansados, já tentei o otis redding e aí lembrei de uma música do james brown que eu ouvia quando tinha um sony ericsson walkman (segue ilustração)



esse foi absolutamente meu celular preferido da vida inteiro e jamais será desbancado. ele era ROXO amigos. e olha que design, que coisa pensada pra ser diferente, cool, prática. ele foi criado pra ouvir música. e ele tinha funcionalidades incríveis como por exemplo pra ele parar de tocar ou o alarme ir pro snooze você podia simplesmente passar a mão por cima dele, sem encostar. é isso, você passava a mão por cima, tipo alguns centímetros de distância, e puf, ele parava. era d+ porque além de ser muito prático você podia deixar o celular em cima da mesa no ~escri~ e fazer um movimento místico de mágica quando o celular tocasse. praticidade & estilo num único aparelho.

e era nesse incrível aparelho de telefonia celular que eu escutava essa canção do james brown que se chama please, please, please e eu não sabia da onde tinha aparecido no meu telefone, não sei até hoje se eu baixei, se alguém me passou por ~bluetooth~ (uma prática comum naqueles tempos pré-smartphone, mas queria apontar que nesse celularzinho lyndo também dava pra usar a internet muito bem, eu até mandei testimonials no orkut, vejam vocês), enfim.

hoje lembrei dessa música e agora tô aqui curtindo um james brown, mas com saudades do marvin gaye.


Nenhum comentário: