10.3.16




coisas tem acontecido

mas eu não sei, não consigo categorizar as coisas que tem acontecido, não consigo entender a maior parte delas e as poucas que eu consigo entender eu simplesmente não tô conseguindo dar conta.

eu mudei de casa, né. ou meio que mudei, porque seria bem mais fácil mudar se a eletropaulo aceitasse que já está mais do que na hora de ligar minha energia elétrica. após diverrrrrsasssss ligações e quatro visitas a uma loja física da eletropaulo, hoje finalmente a moça olhou pra mim e disse "é, tá tudo certo com os documentos, só que não posso processar seu pedido porque a impressora tá quebrada."

a

impressora

está

quebrada

e por isso eu não tenho luz. deve existir alguma lógica implícita nisso aí mas sinceramente não tô nem afim de tentar compreender.

aí meu cartão de crédito foi bloqueado. por quê, vocês podem perguntar. isso mesmo, por motivo nenhum. ninguém consegue me explicar o motivo e tudo que eu sei é que a atendente encaminhou o pedido de desbloqueio e em cinco dias úteis eu tenho que ligar novamente pra ver se o pedido foi aceito.

porque aparentemente existe uma chance de eles não desbloquearem um cartão que foi bloqueado sem explicação.

tá fácil viver, viu.



enquanto isso sigo atrasadíssima com meus compromissos com as escolas, parecendo sempre que eu estou prestes a ter um colapso ou que as coisas simplesmente vão acontecer sem eu conseguir alcançá-las e um dia eu vou acordar e estarei casada e com filhos e sem nem saber como isso aconteceu. (deus me livre guarde, çocorr senhor jesusinho)

eu comentei em algum dos últimos posts que tinha superado o soul, mas na real eu tava é mesmo escutando muita aretha franklin, me acabando na aretha, até que, né, enjoei, porque eu sou assim, crio obsessões e as esgoto completamente, é meu jeitinho.

mas aí por acaso voltei pro lee moses e aí pela primeira vez prestei atenção na música got that will e de quem ele fala nessa canção??? isso mesmo, arethazinha do meu coração; não sei nem como nunca tinha notado isso.

aretha franklin
the queen of soul
she made it
yes she did

but i.. i got that will to learn

ele tá falando de fama e cantar canções de sucesso e ser uma estrela, bem distante das minhas pequenas ambições, mas decidi aceitar esse momento de interconexão das coisas que eu amo como uma auto-ajuda musical, e esse é o tipo de ajuda que a gente nunca recusa. e, né, no fim das contas i got that will to learn; a gente segue tentando aí até a morte chegar, não é mesmo.

e porque, né, quando as interconexões aparecem elas vem com tudo, hoje por acaso decidi ler meu horóscopo e não sei que tipo de sorte é essa que sempre que eu tomo essa decisão ele tá falando de música, então dessa vez eu tive um aprendizado supersticioso do zodíaco sobre rage against the machine.

"Your anger is a gift." So proclaims musician and activist Zack de la Rocha, singer in the band Rage Against the Machine. That statement is true for him on at least two levels. His fury about the systemic corruption that infects American politics has roused him to create many successful songs and enabled him to earn a very good living. I don't think anger is always a gift for all of us, however. Too often, especially when it's motivated by petty issues, it's a self-indulgent waste of energy that can literally make us sick. Having said that, I do suspect that your anger in the coming week will be more like de la Rocha's: productive, clarifying, healthy.

comecei a ler e achei que ia ser sobre minha raiva da eletropaulo, do banco, da vida adulta no geral, mas aí ele começou a falar de política. e eu evito falar de política porque né, completamente inapta apesar de ter minhas pequenas visões frente a tudo que tá acontecendo, mas a questão é que logo antes de clicar no horóscopo eu cliquei no bolhas champanhe cowboy e vi esse post aqui, muito claro, muito esclarecedor, muito tudo em que eu acredito. os posts recentes também tratam do  nosso momento político e todos são muito bons, inclusive tem até um vídeo do chomski falando sobre o golpe de 64 e gente, como parece né? como nossa memória histórica é curta, né? como as estratégias de golpe se adaptam e se fantasiam pra poder caber novamente nas nossas cabecinhas toscas, né? 

enfim, recomendo muitíssimo o blog da adeláide porque ela consegue expressar muito bem o que eu penso mas não sei dizer pois me faltam as ferramentas linguísticas e ideológicas, e também me faltam as referências de material, texto, notícia, vídeo, pra embasar os meus achismos. deixo a sugestão do blog pra quem, né, quer discutir política.

mas o horóscopo não era exatamente sobre política, só sobre as motivações da raiva do zack de la rocha, que acredita que nossa raiva é um presente porque nos leva a mobilizações importantes, ou pelo menos expressões válidas sobre nossa sociedade. mas no fim a previsão zodiacal diz que minha raiva (que eu tô preferindo chamar de cansaço, porque é isso que acontece comigo na verdade) dessa semana por vir será produtiva e, olhem só, saudável, e se tem uma coisa da qual eu não tô abrindo mão é saúde porque, olha, passo grande parte dos meus dias achando que meu corpo uma hora vai simplesmente desmoronar e desistir da existência (não seria de todo ruim, mas queria pelo menos curtir um pouco da minha casinha nova, se algum dia eu conseguir ter energia elétrica). mas é isso, vou tentar focar minha raiva e meu cansaço no grande bem que virá depois, pois sou assim, positiva.



em notas completamente desconexas e aleatórias, um anônimo comentou no meu post anterior o seguinte poema do e.e. cummings, e embora eu tenha essa relação de amor e ódio com anônimos não consegui não me emocionar, pois esse poema é lindo demais e eu adoraria pensar que sou essa pessoa para alguém (embora minha preferência seria de que isso fosse platônico, ultimamente não tô muito pra relações interpessoais muito físicas ou conexões muito profundas, mas sei lá, o poema é lindo demais pra eu não querer que alguém o dedique a mim) 


(acho na verdade que o poema é bonito porque é uma descrição tão maravilhada de um encontro físico, é uma sequência de sentimentos que surgem a partir do toque de dois corpos, e é tão mais poético e tocante do que a vida real, tão MAIS que dá até vontade de sentir isso que ele descreve; mas acho que é isso mesmo né, é poesia e não vida real, e eu sigo aqui sendo real e não poesia)



Nenhum comentário: