3.12.16

continuo aqui pensando sobre o meu problema com o cinema, com como um filme conta uma história, e por que eu me sinto mais confortável com livros, por que a literatura e a leitura permitem que eu suspenda minha descrença mais facilmente, e por que eu considero que filmes perdem na questão da profundidade de uma narrativa.

se você eliminar todas as ferramentas e criações tecnológicas disponíveis para que a gente crie um filme, ou menos do que isso, uma imagem de qualquer tipo, o que sobra? como você pode se comunicar agora?

elimine as câmeras, os pincéis, as tintas (até as que vem da natureza), os lápis, as telas, os papéis. não existe maneira de criar uma informação em forma de imagem apenas com o corpo humano.

já a literatura (assim como a música) são criadas a partir de uma função corporal intrínseca ao ser humano, que é a habilidade de fazer sons com as cordas vocais e criar uma linguagem complexa. a literatura é, em sua essência, uma experiência de narrativa oral - muito ligada à música, já que a maioria das histórias clássicas do início da literatura eram cantadas, e não declamadas.

elimine os lápis, os papéis, os teclados, o alfabeto. a gente ainda consegue fazer literatura. e música. a ferramenta básica da literatura e da música, nossa voz, é complementada por uma ferramenta secundária, a linguagem humana, que pode ser inventada, modificada, adaptada para comportar qualquer história, qualquer nota musical. a gente cria nosso próprio instrumento para com ele criar histórias, e esse instrumento existe dentro de nossa fisionomia, a gente não precisa de nada exterior ao ser humano para "escrever" uma história, para compor um canção.

e acho que é por isso que literatura e música são expressões muito mais profundas do que cinema.

ah, mas e o teatro? o cinema é basicamente uma evolução do teatro, e pra fazer teatro também não precisamos de nada além de gente.

verdade.

mas o teatro é, primariamente literatura. teatro é uma história contada oralmente, como a literatura foi um dia, e na apresentação formal do teatro as peças aparecem em forma escrita, que pode ser lida, em voz alta como se contavam as histórias. para o teatro, realmente, nada mais é necessário além da nossa voz e nossa linguagem. mas para o cinema precisamos de uma ferramenta que registre uma imagem - como para a fotografia e para a pintura.

outra diferença fundamental é que numa narrativa oral como o teatro, pequenas mudanças que aparecem de interpretação para interpretação dão à história um significado que atravessa os tempos, pois cada tempo faz sua própria interpretação. para além disso, a possibilidade de mudança que vem com a tradição oral anda junto com a evolução que uma historia sofre, algo que representa a evolução social do ser humano também, portanto as versões da narrativa nunca são finais.

um filme é um registro de uma imagem, imutável. toda vez que acessarmos essa história ela será a mesma. no teatro, assim como na tradição oral da literatura e na música, há sempre pequenas mudanças, há sempre a influência de algo novo, é sempre algo novo.

tenho certeza que tem alguma falha na minha lógica e nos meus conhecimentos que vão derrubar tudo que eu acabei de dizer, mas agorinha assim é isso que eu tô pensando.

Nenhum comentário: