7.1.17

já que estamos falando disso

alguns dias atrás uns amigos vieram em casa almoçar. um dos amigos trouxe um date, uma garota que contou pra gente que tomava café preto desde criancinha. todo mundo ficou QQQQ e ela comentou que na cidade da onde ela vem (não lembro agora, dscp), é normal que as crianças tomem café, faz parte dos costumes, ninguém questiona o hábito.

mara wilson conta no início do livro, sobre a indústria de atores mirins em sua cidade, burbank: "Children all over the world do ridiculous or dangerous things and no one around them questions it because it is ingrained in their culture. So it was with child acting in Southern California".

algum tempo atrás me perguntei por que razão ninguém considerava que crianças trabalhando como atores era trabalho infantil.





fazendo uma analogia completamente horrorosa porém verdadeira, é quase como o tempo da escravidão: um comportamento violento, absurdo, perigoso, mas parte da cultura da época, visto como costumeiro e raramente questionado (pelas pessoas brancas, é claro). machado de assis fala um pouco disso no texto de 1906 "pai contra mãe". 

Nenhum comentário: