8.1.18

diário de dates e crises existenciais

date 1: L.
L. escolheu um bar com garçons que ele chamava pelo nome, tirou meu tarô, me levou pra cama. pôs patti smith pra tocar e eu chorei na cama pelada ouvindo a patti e lembrando de tanta coisa da minha vida e mddc como é que eu fui parar aqui.

date 2: F.
F. topou ir no bar que eu escolhi, me deixou comer todas as coxinhas e me pegou forte encostado no meu carro. disse que ia ficar viciado em mim e eu pensei "mas amigo você não sabe nem se vai me ver de novo". voltei pra casa com tesão e sozinha.

date 3: E.
E. é grafiteiro e tem um piercing no septo. fumou minha maconha, me prometeu uma tatuagem, e sumiu.

date 4: B.
B. não era um date, era apenas um ex com quem eu tomei uma cerveja. na volta pra casa chorei de solidão e tristeza e ciência que eu fiz as escolhas que me colocaram aqui e acabei indo parar na casa de L. (vide date 1) não chorei na cama de L. dessa vez, mas chorei de manhã voltando pra casa pensando no futuro que em 2017 eu achava que ia ter e reparando na minha solidão cada vez mais profunda e difícil de lidar.




Nenhum comentário: